sábado, 20 de setembro de 2014

Curso de Agricultura de base Ecológica para Indígenas Potiguaras, foi realizado entre os dias 15,16 e 17 de Setembro 2014, promovido pela EMATER-PB.

Com objetivo de capacitar famílias indígenas em agricultura de base ecológica, despertando o interesse pelas práticas sustentáveis na agricultura familiar, através da valorização dos saberes  entre indígenas e técnicos.

Equipe da EMATER-PB e os Indígenas Potiguara da Paraíba que participaram do curso
Após o acolhimento do grupo pela equipe de facilitadores, os indígenas fizeram sua inscrição e em seguida o Cacique Geral dos indígenas Potiguaras convidou os indígenas para a dança do Toré.


                       
          Ritual do Toré
Realizando um ritual onde mostram a fé, a tradição e a cultura indígena, todos caracterizados dançaram, proporcionando um momento importante cultural e de integração. Em seguida, com a participação do Cacique Geral Sandro, Vlaminck Paiva.

Representante da FUNAI o Sr. Antono Melo, Cacique Geral dos Índios Potiguara da Paraíba Sandro Gomes Barbosa e o Presidente da EMATER-PB em exercício.
Presidente da EMATER PARAÍBA em exercício e o representante da FUNAI o Sr, Antono Melo foi realizada a abertura do evento, onde Sandro agradeceu a participação de todas/os, o incentivo da EMATER PARAÍBA e dos demais órgãos e entidades parceiras que contribuem com o desenvolvimento dos indígenas Potiguaras, em seguida o Sr. Antonio Melo falou da importância da integração dos órgãos que desenvolvem atividades nas terras indígenas e disse que iniciativas como a da EMATER PARAÍBA precisam ser fortalecidas para que as políticas públicas possam chegar aos povos indígenas Potiguara e o Presidente da EMATER PARAÍBA disse que é nossa missão trabalhar a assistência técnica e extensão rural – ATER de forma sistemática e de qualidade para os agricultores familiares em especial aos indígenas e que vamos ampliar a atenção aos indígenas e dessa forma contribuir cada vez mais com a implementação de Políticas Públicas para os Potiguaras.

 Estelita Andrade - EMATER-PB
Em seguida Estelita Andrade falou sucintamente sobre o Convênio 791154/2008, mostrado os objetivos, metas e as atividades destinadas aos indígenas, falou ainda do compromisso da EMATER PARAÍBA em fortalecer as ações de ATER nos Municípios RioTinto, Marcação e Baía da Traição onde estão localizados os Potiguaras.

Continuando a programação Verneck Abrantes presentou o vídeo ‘Índios da Paraíba’, onde discorreu sobre a história dos indígenas no interior (Cariri e Tarairiu), a forma de ocupação das terras, as sesmarias e as demais nações indígenas do litoral para ficar apenas os Potiguara e Tabajara, esses sem terras demarcadas no momento. Também foi apresentado e socializado o livro, em PowerPoint, Índio na Visão dos Índios, publicado pelos índios Potiguara. Finalizando, ocorreu mais uma dança indígena em agradecimento ao Deus Tupã pelos trabalhos desenvolvimentos e convívio fraterno nesse primeiro dia do curso.


Índias  Potiguara que participaram do curso
 No segundo dia, iniciamos com a ritual do Toré,  sendo este um grande momento de fortalecimento  cultural, seguindo foi apresentado o video “Carta do Indio Seatle” que fala da consciência indígena sobre o meio ambiente, comentado o vídeo, Isaias Marculino falou ‘da importância da cultura Potiguara, da religião, que  precisa ser respeitado e entendido, porque acreditamos  que o Deus é um só o que precisamos é fortalecer a nossa fé”.  Genilson “ falou  que é preciso fortalecer os costumes do povo Potiguara e temos que resgatar nossos valores, como também sermos mais justos entre nós, precisamos nos fortalecer cada vez mais”. Jessé acrescentou que “a religião é implantada, indio tem religiosidade que é a soma da cultura, costumes, histórias e crenças. Precisamos também conhecer mais nossa história,  ensinar as crianças e fortalecer nossa consciência”.
A discussão foi riquíssima, o grupo é jovem mais muito interessado e estudioso, com muito potencial para desenvolver diversas possibilidades. O representante da FUNAI o Sr. Antonio Melo, falou da responsabilidade que o órgão tem para com os indígenas em especial os potiguaras e  está registrando os encaminhamentos para buscar solucionar.
Sandra Vida- EMATER-PB 

Seguindo a programação, Sandra Vidal falou sobre ‘Alimentos – Impactos da produção’, conceituando impactos ambientais e provocando a discussão dos participantes com relação as atividades diárias das famílias indígenas nas aldeias e o  impacto que 
provoca na natureza, suas causas e efeitos.  Falou também dos efeitos e problemas causados pela exposição prolongada aos agrotóxicos. Outro tema abordado foi a Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional nos princípios da agroecologia, enfocando as mudanças nas relações familiares a deteriorização das culturas alimentares, a influencia das mídias  na definição do cardápio da família. Para se ter uma alimentação saudável só é possível se termos uma produção que respeite o meio ambiente  se produza alimentos livres de agrotóxico e que sejam produzidos respeitado os princípios da agroecologia.
Verneck Abrantes-PB, Isaias Marculino Índio Potiguara da Paraíba
Dando sequencia, Verneck Abrantes apresentou o tema ‘Quintais Produtivos’, mostrando a importância da diversificação da produção (galinha, ovelha, cabra, bovino, abelha) frutas (diversas), armazenar sementes para garantir o plantio e a segurança alimentar. Outra importante atividade são as hortaliças, mostrado a importância da adubação orgânica, deixar as folhas no chão para proteger a terra.  Finalizando esta temática foi apresentado um vídeo sobre ‘agroecologia’, mostrando a importância das relações entre os seres e a natureza para o equilíbrio do planeta.

Alexandre Alfredo,  trabalhou o tema ‘Organização da produção na Agricultura de Base Familiar’ falando  sobre o conceito de produção dentro da agricultura familiar como  um processo sustentável. Falou dos princípios essenciais para a sustentabilidade da agricultura como autonomia hídrica, de insumos, Segurança Alimentar e Nutricional  e financeira. Falou também sobre as ações de ATER que podem ser realizadas dentro de uma unidade familiar produtiva que podem contribuir com a organização da produção, numa perspectiva de diálogo e troca de vivencias e experiências, onde os técnicos e agricultores/indígenas constroem alternativas de desenvolvimento sustentável, onde  ambiente equilibrado proporciona a sustentabilidade. Foi discutido ainda o processamento do excedente de produção em Quintais Produtivos, onde podemos aproveitar na confecção de doces, bolos, licores, cocadas para incremento da renda familiar.
Técnico da EMATER-PB do Município da Baía da Traição José Carlos
No terceiro dia, iniciamos os trabalhos  com o ritual do Toré,  em seguida o técnico da EMATER PARAÍBA do município da Baía da Traíção José Carlos, apresentou fotos de quintais produtivos das famílias indígenas potiguaras, para que pudéssemos observar a diversificação da produção, as formas de irrigação e as possibilidades de ampliar a produção visando a segurança alimentar e o acesso as políticas públicas de comercialização. Nas discussões observamos o orgulho dos indígenas em apresentar a sua produção agropecuária e o interesse do grupo em planejar a produção e organizar o espaço dos quintais na implantação de novas culturas. Keyla Leal complementou falando da importância do planejamento e organização da produção para acessar as políticas públicas a exemplo do PAA, PNAE feiras da agricultura familiar.


Genildo Avelar Cardoso , Aldeia Carneira, Marcação-PB e Verneck Abrante - EMATER-PB

Em seguida Genildo Avelar Cardoso Potiguara da Aldeia Carneira  Município de Marcação-PB, que é um autodidata em mídias apresentou as mídias que ele alimenta a exemplo da página no faceboock, youtube e blog com o nome  ‘Índios Potiguara da Paraíba em Foco’ , onde é divulgado as ações desenvolvidas relacionadas aos potiguaras, como também divulgação de eventos, atividades que serão realizadas e também faz a divulgação da cultura Potiguara.


Valber Felix, Índio Potiguara, Baia da Traição-PB
O indígena Potiguar Valber Felix, fez uma apresentação cultural, cantando  acompanhado de todos os participante, mostrando a integração do grupo e a satisfação de estarem contribuindo na construção de estratégias de desenvolvimento.

Em seguida foi construído os encaminhamentos e finalizando foi realizada a avaliação do evento.



                                                                                                                                              
 Fotos: GENILDO AVELAR CARDOSO

Fonte: EMATER-PB